doenças 

 
início cinomose

     Doença muito comum entre os cães, freqüentemente mortal. É uma virose altamente contagiosa, transmitida principalmente por via aérea. Apresenta geralmente 4 etapas (não obrigatórias nem respectivas) a forma cutânea, respiratória, digestória e a nervosa. Acomete cães de qualquer idade, principalmente filhotes, idosos e animais debilitados.

     A transmissão ocorre por contato direto com o animal doente ou secreções nasais e da boca. É mais freqüente no inverno.

     Principais sintomas:

 
Voltar  
 

 

      cutâneos: Pústulas na barriga (tipo espinhas), hiperqueratose das almofadas plantares (as patas embaixo ficam lisas e/ou rachadas como se não tivessem impressões digitais);pode aparecer irritação nas orelhas, semelhante a otite.

 
 

 

      digestivos: vômitos, diarréia, falta de apetite, causando desidratação e fraqueza;

     respiratórios: tosse, espirros, secreção nasal e ocular purulenta (os cães assim como nós têm um canal que liga os olhos ao nariz, para drenar o excesso de lágrima, por este canal as bactérias que causam infecção respiratória chegam até os olhos, causando as remelas); devido a irritação pode ocorrer perda de pelo na região ao redor dos olhos.

 

 

 

 

 

 

      nervosos: incoordenação motora, contrações involuntárias (tiques - caracterizado por permanecer enquanto o animal dorme), paralisias (principalmente das patas posteriores), hiperestesia (sensibilidade excessiva), incoordenação, alucinações (chorando sem motivo aparente) e convulsões; podem levar o animal a morte. Abaixo demonstramos um vídeo retirado da internet para demonstração de alguns sintomas neurológicos.

 
   

     Esta doença é de difícil tratamento, muitas vezes sendo necessário eutanásia; geralmente deixa sequelas, quando não ocorre morte.   

     O melhor meio de prevenção da cinomose é a vacinação com a vacina polivalente (importada). Portanto cuide bem do seu "amigdepatas", se não vaciná-lo poderá perdê-lo para esta triste e fatal doença.

     O vírus da cinomose não é resistente aos desinfetantes comuns. Fora do hospedeiro, o vírus morre facilmente e, por isso, é fácil fazer o controle ambiental da disseminação da doença.

     O período de permanência do vírus no ambiente gira em torno de 30 a 40 dias, caso seja feita uma desinfecção adequada. É inativado com formol (a 0,5% em quatro horas), fenol (a 0,75% em 10 minutos a 4°C), desinfetantes constituídos por amônia quaternária (a 0,3% em 10 minutos) ou com o uso de água sanitária (hipoclorito de sódio) por um mês, ideal dar uma margem de segurança de 3 meses, no mínimo para aquisição de outro animal. Dê preferência a um filhote com o esquema de vacinação concluído (após 15 dias da última dose da vacina polivalente).