doenças 

 
início coprofagia

     Coprofagia é o nome que damos a ingestão de fezes. É muito comum em cães e rara em gatos. É comum ao ponto de considerarmos como comportamento normal canino.

     Um exemplo de coprofagia natural: cadelas ingerem as fezes de seus filhotes por várias semanas após eles nascerem, presumivelmente para manter a área do ninho limpa até que eles cresçam o bastante para saírem do ninho para evacuar.

     Os cães são frequentemente atraídos por fezes de herbívoros, gatos e de humanos (fraldas sujas, papel higiênico). A ingestão de fezes de herbívoros geralmente ocorre quando o cão está mal nutrido, pois as fezes de herbívoros contem produtos de fermentações intestinais (equinos) e ruminais (bovinos). Já as fezes de gatos ocorre pelo alto teor de proteína, os felinos têm uma necessidade de proteína muito maior do que os cães. Por isso, as rações para gatos possuem altos teores protéicos. As fezes dos gatos, portanto, exalam odor de proteína que é altamente atrativa para os cães.

     Ingestão de suas próprias fezes ou de outros cães é um comportamento anormal. Quando um cão ingere suas próprias fezes, este pode estar imitando o comportamento do proprietário na remoção de fezes, e/ou também a resposta as punições por fazer em local inapropriado, removendo assim as evidências.

     Outros fatores são: insuficiência pancreática, enteropatia inflamatória, parasitismo intestinal, hipertireoidismo, diabetes, hiperadrenocorticismo, deficiências dietéticas, induzidas por drogas (como por exemplo, glicocorticóides, progestágenos, fenobarbital) e também o consumo exagerado ou dietas com elevados valores protéicos (como ocorre com as fezes dos gatos).

 
     Se o cão conseguir sentir odor protéico nas fezes, associará a "comida processada" e poderá ingeri-la. Quando o cão não consegue digerir bem aquilo que come devido a algum fator descrito acima ou se sua dieta possui teores muito altos de proteína, além do necessário ou de sua capacidade de digestão, as fezes apresentarão este odor protéico. E isso será o estímulo para o cão comê-las. É necessário distinguir entre as doenças e se a dieta está exagerada em proteínas, assim como exagerada na quantidade. Uma forma de descobrir a causa é adequar a quantidade ingerida como recomenda na embalagem ou mudar a ração do animal para outra com menores teores protéicos (explico melhor esta duas opções na secção de dicas importantes - ração). Para tal mudança de ração o veterinário que atende o cão deverá ser consultado para evitar perda na qualidade da mesma. Outra alternativa é adicionar enzimas que ajudem na digestão, como por exemplo, as presentes no mamão


     O tratamento varia de acordo com a causa, se é comportamental ou clínica. Pode-se tratar coprofagia comportamental de muitas maneiras: diminuindo o acesso as fezes mediante remoção imediata destas; passeando com cães com guias para que facilite sua remoção da proximidade das fezes. Caso não obtenha sucesso, usar focinheira ou enforcador em caminhadas.

     Outras tentativas é o adestramento. Pode-se oferecer recompensas alimentares ao seu "amigdepatas" quando ele defeca, e com isso, contra-condicioná-lo a esperar o alimento em vez de procurar por fezes; borrifar substâncias de gosto/cheiro nocivo nas fezes, além de substâncias amargas e picantes (pimenta). Para mais dicas de adestramento clique aqui.

 

 
Voltar